quarta-feira, 15 de julho de 2009

CD "MARIA DA PENHA - MULHER DE LEI"




01-Mulher Brasileira
02-Galope à Maria da Penha
03-Mãe
04-Felicidade
05-A Lei Maria da Penha
06-Mulheres de Aquiraz
07-Mulher
08-Mulher de Lei





Olá gente, bem-vind@ ao meu blog!
Gostaria de informar a tod@s que, já saiu meu novo CD, intitulado:
"Maria da Penha - Mulher de Lei".Este CD é todo focado no universo feminino, e visa valorizar a mulher no contexto social e político, bem como homenagear a todas as Mulheres Brasileiras, na pessoa de Maria da Penha Maia Fernandes, ilustre cearense que deu nome à Lei Federal Nº 11.340/2006 Lei Maria da Penha, que coíbe a Violência Doméstica e Familiar, com aqual eu e minha esposa Naná, trabalhamos em parceria desde fevereiro de 2007, divulgando a Lei através da Música; do Repente e da Literatura de Cordel.
Graças a coragem desta ilustre cearense que, lutou durante quase 20 anos por justiça, o Brasil hoje, dispôe de um importante intrumento jurídico, que vem assegurar às mulheres a Equidade de Gênero em todas as camadas sociais. Parabéns Mulheres!
Costumo dizer que a Lei Maria da Penha não veio pra prender homem mas, punir agressor.

Preço do CD
Valor/unidade-------- ---------R$:10,00 + frete.
Acima de 1.000 cópias-- -------R$: 5,00 + frete.


PROJETO "A LEI MARIA DA PENHA EM CORDEL
Introdução:
A Violência Doméstica e Familiar, dada sua complexidade, ainda é algo muito desafiador, não só para os nossos governantes, mas principalmente, para nós que trabalhamos diretamente com a causa, no combate e na prevenção. É um mal silencioso que afeta milhares de famílias brasileiras, seja por questões culturais, seja por desajustes sociais, o fato é que a cada dia presenciamos mais e mais, crimes bárbaros, os quais não podemos mais tolerar.

Objetivos:
01-Apresentar e distribuir gratuitamente nas escolas, municipal e estadual, o folheto intitulado “A Lei Maria da Penha em Cordel”, de minha autoria, cuja obra literária é de caráter educativo, pois foi construída a partir dos principais artigos da Lei Maria da Penha, com uma linguagem acessível ao grande público, visando assim, conscientizar, alunos, professores e a população em geral, sobre a importância da Lei Maria da Penha, seus benefícios e sua aplicabilidade.

02-Estimular a juventude, a uma reflexão mais profunda, sobre a problemática da violência domestica e familiar, nos diversos níveis da sociedade.

03-Orientar os educadores para um maior debate com seus alunos, sobre o tema em questão, despertando nos mesmos, uma nova consciência de que nenhum tipo de violência vale a pena, contra a mulher, ou quem quer que seja, visando assim desconstruir a cultura machista entre homens e mulheres, enraizada na sociedade, tendo seu ponto crítico no âmbito familiar.
Quem interessar imprimir o este cordel, em pequena ou grande escala, para trabalhar a Lei Maria da Penha em suas respectivas regiões, ou nos contratar para uma apresentação, veja modelo de orçamento:

Preço do Cordel:
Valor/unidade: --------------------R$: 2,00 + frete
Acima 1.000 unidades: ------------R$: 1,00 + frete

Para comprar o CD ou o Cordel, basta copiar o formulário abaixo, preencher e nos enviar por E-mail.

Cliente Nome:___________________________________________ Endereço:_________________________________________ Cidade:________________________UF________________ CEP__________________________ Tel.: ( )____________Cel_________ E-mail________________________


Conta para depósito.
Bradesco
Ag: 452-9
CC: 292169-3

Titular: Sebastião Felix de Oliveira Jucá

Contatos p/ vendas e shows:
Cel.: (85) 8618.8696 / 9949.1338 - Naná Jucá
E-mail: tiaosimpatia@hotmail.com

Prazo de entrega:
Via Sedex - 48hs após a confirmação do depósito.
Carta Registrada: 08 dias úteis após a confirmação do depósito.

Leia o cordel na íntegra:A Lei Maria da Penha em Cordel.
Autor: TIÃO SIMPATIA.
I
A Lei Maria da Penha
Está em pleno vigor
Não veio pra prender homem
Mas pra punir agressor
Pois em “mulher não se bate
Nem mesmo com uma flor”.
II
A Violência Doméstica
Tem sido um grande vilã
E por ser contra a violência
Desta Lei me tornei fã
Pra que a mulher de hoje
Não seja vítima amanhã.
III
Toda mulher tem direito
A viver sem violência
É verdade, está na Lei.
Que tem muita eficiência
Pra punir o agressor
E à vítima, dar assistência.
IV
Tá no artigo primeiro
Que a Lei visa coibir;
A Violência Doméstica
Como também, prevenir;
Com medidas protetivas
E ao agressor, punir.
V
Já o artigo segundo
Desta Lei Especial
Independente de classe
Nível educacional
De raça, de etnia;
E orientação sexual...
VI
De cultura e de idade
De renda e religião
Todas gozam dos direitos
Sim, todas! Sem exceção.
Que estão assegurados
Pela Constituição.
VII
E que direitos são esses?
Eis aqui a relação:
À vida, à segurança.
Também à alimentação
À cultura e à justiça
À Saúde e a educação.
VIII
Além da cidadania
Também à dignidade
Ainda tem moradia
E o direito à liberdade.
Só tem direitos nos “As”,
E nos “Os”, não tem novidade?
IX
Tem, direito ao esporte
Ao trabalho e ao lazer
Ao acesso à política
Pra o Brasil desenvolver
E tantos outros direitos
Que não dá tempo dizer.
X
E a Lei Maria da Penha
Cobre todos esses planos?
Ah, já estão assegurados
Pelos Direitos Humanos
A Lei é mais um recurso
Pra corrigir outros danos.
XI
Por exemplo: a mulher
Antes da Lei existir,
Apanhava, e a justiça
Não tinha como punir
Ele voltava pra casa
E tornava a agredir
XII
Com a Lei é diferente
É crime inaceitável.
Se bater, vai pra cadeia!
Agressão é intolerável.
O Estado protege a vítima
E depois pune o responsável.
XIII
Segundo o Artigo Sétimo
Os tipos de Violência
Doméstica e Familiar
Tem na sua abrangência
As cinco categorias
Que descrevo na seqüência:
XIV
A primeira, é a Física
Entendendo como tal:
Qualquer conduta ofensiva
De modo irracional
Que fira a integridade
E a saúde corporal...
XV
Tapas, socos, empurrões;
Beliscões e pontapés
Arranhões, puxões de orelha;
Seja um, ou sejam dez
Tudo é Violência Física
E causam dores cruéis.
XVI
Vamos ao segundo tipo
Que é a Psicológica
Esta, merece atenção
Mais didática e pedagógica
Com a autoestima baixa
Toda a vida perde a lógica...
XVII
Chantagem, humilhação;
Insultos; constrangimento;
São danos que interferem
No seu desenvolvimento
Baixando a autoestima
E aumentando o sofrimento.
XVIII
Violência Sexual
Dá-se pela coação
Ou uso da força física
Causando intimidação
E obrigando a mulher
Ao ato da relação...
XIX
Qualquer ação que impeça
Esta mulher de usar
Método contraceptivo
Ou para engravidar
Seu direito está na Lei
Basta só reivindicar.
XX

A quarta categoria
É a Patrimonial:
Retenção, subtração,
Destruição parcial
Ou total de seus pertences
Culmina em ação penal...
XXI
Instrumentos de trabalho
Documentos pessoais
Ou recursos econômicos
Além de outras coisas mais
Tudo isso configura
Em danos materiais.
XXII
A quinta categoria
É Violência Moral
São os crimes contra a honra
Está no Código Penal
Injúria, difamação;
Calúnia, etc e tal.
XIII
Segundo o Artigo Quinto
Esses tipos de violência
Dão-se em diversos âmbitos
Porém é na residência
Que a Violência Doméstica
Tem sua maior incidência.
XXIV
Quem pode ser enquadrado
Como agente/agressor?
Marido ou companheiro
Namorado ou ex-amor
No caso de uma doméstica
Pode ser o empregador.
XXV
Se por acaso o irmão
Agredir a sua irmã
O filho, agredir a mãe;
Seja nova ou anciã
É Violência Doméstica
São membros do mesmo clã.
XXVI
E se acaso for o homem
Que da mulher apanhar?
É Violência Doméstica?
Você pode me explicar?
Tudo pode acontecer
No âmbito familiar.
XXVII
Nesse caso é diferente
A Lei é bastante clara:
Por ser uma questão de gênero
Somente a mulher ampara
Se a mulher for valente
O homem que livre a cara.
XXVIII
E procure seus direitos
Da forma que lhe convenha
Se o sujeito aprontou
E a mulher desceu-lhe a lenha
Recorra ao Código Penal
Não à Lei Maria da Penha.
XXIX
Agora, num caso lésbico;
Se no qual a companheira
Oferecer qualquer risco
À vida de sua parceira
A agressora é punida;
Pois a Lei não dá bobeira.
XXX
Para que os seus direitos
Estejam assegurados
A Lei Maria da Penha
Também cria os Juizados
De Violência Doméstica
Para todos os Estados.
XXXI
Aí, cabe aos governantes.
De cada Federação
Destinarem os recursos
Para implementação
Da Lei Maria da Penha
Em prol da população.
XXXII
Espero ter sido útil
Neste cordel que criei
Para informar o povo
Sobre a importância da Lei
Pois quem agride uma Rainha
Não merece ser um Rei.
XXXIII
Dizia o velho ditado
Que “ninguém mete a colher”.
Em briga de namorado
Ou de “marido e mulher”
Não metia... Agora, mete!
Pois isso agora reflete
No mundo que a gente quer.
Fim!
Obs: Todos os direitos reservados.

Confiram também:
Cordel VIDA E OBRA DE RACHEL DE QUEIROZ
cordelvidaeobraderacheldequeiroz.blogspot.com


Meu Release
TIÃO SIMPATIA, cantor, compositor, repentista e arte educador.
Autor dos temas:
- “A Lei Maria da Penha” para Campanha de Divulgação da Lei Federal nº 11.340/2006 Lei Maria da Penha.
- “Criança Não É de Rua” para Campanha Nacional de mesmo nome, da ONG O Pequeno Nazareno.
-“Um Novo Prazer” para o Comitê Cearense de Combate ao Tabagismo.

Sou filado à:
- Ordem dos Músicos do Brasil – OMB.
- Associação dos Cantadores do Nordeste – ACN.
- Associação de Parentes e Amigos de Vítimas de Violência – APAVV.
- Sócio Efetivo da Academia Camocinense de Ciências Artes e Letras – ACCAL.
- Membro Fundador do Grupo Musical - Batuta Nordestina-Fundador do Projeto de Reintegração Social – SOARTE; do Grupo Garotos do Forró e do Projeto Cultural – Ceará En-cantador.

Títulos que recebí:-2002, Honra ao Mérito. Academia de Letras Dos Municípios do Estado do Ceará - ALMECE.
-2008, Cidadão Camocinense - Câmara de Vereadores de Camocim.
Ao longo de minha carreira, lançei 06 CD`s, sendo quatro solos, e dois coletivos, um, com o Grupo Garotos do Forró, e outro, com o Grupo Batuta Nordestina, cujos grupos ajudei fundar, e do último, continuo participando ativamente.
Ganhei vários festivais de música e repente em todo o Nordeste, sendo o último em fevereiro de 2009, em Fortaleza – I Festival de Músicas Carnavalescas do Shopping Benfica, com música
“A Lei Seca”.
Quem sou eu:Sou acima de tudo, um vencedor! Um brasileiro que não baixa a cabeça diante às dificuldades.
Aprendi a ler e escrever aos 15 anos de idade, pois onde nasci e me criei, (Jacurutu, interior de Granja-CE), não havia escola, nem meio de tranporte escolar para estudar na Sede.
Desde os meus 8 anos de idade, eu já ia para a "Roça", ao lado do meu pai (seu Chiquinho), trabalhar para ajudar criar meus 11 irmõs,- pois meu pai tem 24 filhos, 12 da primeira família, passou 6 anos viúvo, casou com minha mãe (Dona Helena), e fez mais 12, sou o mais velho.
Foram tempos muito difícies, mas o "Dom Artístico" já se manifestava dentro de mim.
Gostava de ouvir Luiz Gonzaga; e acompanhava as "Cantorias" e os "Folguedos" da região.
Aos 15 anos ganhei uma viola num bingo, aí não teve jeito: meu pai perdeu seu melhor trabalhador. Fui para cidade de Camocim, a busca de apoio. Lá conheci o poeta e jornelista Hernandes Pereira, que me acolhei em sua casa e me propocionou trabalho e estudo.
Muito do que sou hoje, agradeço a ele e sua familia.
Em 2006, mudei para Fortaleza, pois já me sentia preparado para alçar vôos mais altos.
Aqui chegando, conheci Paula Castro (Paulinha), que me pediu para compor a música tema da Lei Maria da Penha. Em seguida, conheci Naná, com quem casei; e Maria da Penha Maia Fernandes, com quem tenho a honra de trabalhar, divangando esta causa tão nobre que não é só de Maria da Penha, mas de todas as mulheres brasileiras e dos homens de bom senso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário